segunda-feira, 19 de abril de 2010

Metodologia de aulas

Bom dia a todos. O assunto hoje é: Metodologia. E, dentro dele, o tópico mais importante é o uso (ou não) de Português dentro das aulas de Inglês.
Por metodologia entendamos que é o modo pelo qual uma aula é transmitida. O que o Professor usa, fala e escreve. Como explica a matéria, como usa o material didático e como tudo isso é captado pelos alunos.
Pois bem. Como já falei aqui em mensagens anteriores, além de professor de escola, sou também professor particular. Os meus alunos particulares entram em contato comigo, em sua maioria, por não estarem gostando do curso onde estão. E aqui no RJ existem muitos cursos. Eu conheço bastante sobre vários deles e há alguns que não sei absolutamente nada sobre e não posso avaliá-los.
Bom, há um curso "X", considerado muito bom por quem o conhece apenas de nome mas que na verdade é MUITO ruim. Seu material didático é horroroso e sua metodologia é fraquíssima, ou seja, não é capaz de proporcionar apreendizado por parte do aluno por dois motivos principais: proibir terminantemente o uso de Português em sala e achar que a repetição à exaustão faz aprender bem.
Vamos analisar os dois casos:

Quanto ao uso do Português em sala:

O ideal é, sim, não usar. Mas cabe ao professor particular e aos donos de curso evitar, quando começa a acontecer, o que nós chamamos de "dar murro em ponta de faca". Ou seja, pra um aluno ou turma que nunca viu Inglês se você chega pra ele e diz: "Let´s open our books to page 10 and take a look at the pictures so we can learn a little bit about adjectives". Do que vai adiantar se ele não sabe uma palavra ? Não vai abrir o livro na tal página 10, provavelmente vai ter vergonha de dizer que não entendeu e, se o professor continuar com essa atitude, principalmente em aulas particulares, vai ficar um clima constrangedor, o aluno vai se sentir inferior e talvez nem volte pra segunda aula. Culpa dele ? Claro que não ! Culpa do professor de metodologia irredutível que não abre mão de suas convicções. Acha que tem sempre que fazer a mesma coisa e o aluno que aceite isso e se vire pra aprender (O tal curso de que falei acima é assim. Adoro que ele exista e continue fazendo isso pois estou recebendo vários alunos que saem de lá e vêm pras minhas aulas).

O que fazer então ? Muito simples. Se eu estou com um aluno que está começando do zero, explico esta situação para ele, abrimos o livro, estudamos juntos duas páginas, explico tudo o que fazer em Português, e ao final do estudo destas duas páginas, quando ele já entendeu a matéria, já assimilou o conteúdo daquelas páginas, eu volto pro início e explico tudo em Inglês para que ele vá assimilando devagar o som das palavras, a formação de frases, a fonética, a sintaxe (tudo isso sem perceber) e, por estar tranquilo por ter entendido a matéria (seu foco principal), ele SEMPRE entende depois a explicação em Inglês, ou seja, conseue atingir todos os seus objetivos na aula.

Mas agora entra aí a parte do aluno. Aviso que não vamos abolir terminantemente o Português, mas precisamos reduzir seu uso nas aulas paulatinamente até ficarmos só com Inglês, ou seja, com a explicação inicial dos assunots em Inglês e com toda e qualquer conversa, relativa ao material ou não, sempre em Inglês. Isso dá segurança aos alunos e os faz estudar pois sabem que se não evoluírem, vão ter atrasados o que seriam os passos ideais para aprender bem Inglês.

Viram como é simples ? É só ter um pouco de esclarecimento que tudo fica bom, para o professor ou para o aluno. Mas tem curso que prefere ficar "dando murro em ponta de faca"...

Outra coisa: Como ensinar assuntos gramaticais.
Já ouvi gente dizendo que gramática é chato e se deve aprender por repetição, sem ficar "estudando regrinha" pois a pessoa aprende e nem precebe que passou pelas tais regras. Aprendeu ? Será mesmo ?
Vejamos: Este mesmo curso que abomina Português em sala faz o seguinte para ensinar, por exemplo, Present Continuous:
Professor: "I am watching TV" ( e faz uma mímica e mostra gestos de que ação está acontecendo).
Aí ele aponta para um aluno e diz: Julia, you are eating a sandwich, Aí ela repete: I am eating a sandwich.
E vai fazendo isso por 15 minutos umas 50 vezes.

Eficaz ? Até pode dizer que sim.
Para todos ? Definitivamente não. E é aí que vem outro "murro em ponta de faca". Nem todos têm a mesma facilidade de aprender, e, mais ainda, a mesma facilidade de PERCEBER A LÓGICA dos assuntos gramaticais. Deve-se destrinchar bem o assunto. Dizer, em Português ou em Inglês: " O present continuous é um tempo verbal formado pela flexão do verbo TO BE no presente mais um verbo no gerúndio. Normalmente acrescentamos ING a um verbo mas há casos em que..."

Gente, como já tive aluno que se emocionou ao receber uma explicação completa de um tópico como artigos indefinidos, pronomes possessivos, verbos modais e disse: "Puxa, professor, obrigado, finalmente estou entendendo isso. ". Isto para nós é como um mergulho numa praia paradisíaca, é o que nos motiva diariamente a continuar a ensinar e, principalmente, a audar os outros.

Caramba, como ficou grande o tópico !

Abração a todos e boa semana.

5 comentários:

Escola de Idiomas Trainer disse...

Olá. A nossa escola utiliza de variadas metodologias de aulas, para crianças, jovens e adultos. Semanalmente indicamos blogs, posts, notícias como esta, que explica tanto a importância do inglês como métodos de cursos para o aluno se conectar ao mundo da internet e aprender cada vez mais. Este blog foi indicado no Aluno Online da Escola de Idiomas Trainer.

Obrigado por compartilhar.
Continue assim.

Eder disse...

Fábio parabéns pelo artigo e a iniciativa de criar um blog neste estilo.


Você dá aulas? Que estado?
Abraço

Fabio Costa e Silva disse...

Sim, Eder.
Rio de Janeiro, RJ.

Guto Carvalho disse...

É interessante que a metodologia caminhe ao lado do aluno. É comum encontrarmos objetivos bem diferentes entre pessoas que desejam estudar uma língua. Uns qerem só passar numa prova, outros querem realmente aprofundar no idioma, alguns querem apenas o suficiente pra nao fazer feio numa viagem ao exterior, enfim... acho que observar essas nuanças é papel dquele professor que qer desenvolver um bom trabalho.

pedro henrique disse...

Olá Fábio!
Então, Estudo inglês à 7 anos, e nesse meio tempo sempre dizia a mim mesmo que nunca gostaria de ensinar inglês, se fosse o caso. E como a vida é realmente engraçada, hoje me encontro dando aulas para iniciantes.
Moro em Petrópolis - RJ. O que eu quero dizer é que achei super interessante o seu blog, já ate salvei nos favoritos, pois acredito que será de muita utilidade suas dicas. Há algum endereço, no qual poderia me comunicar com você, caso precise de algumas dicas, se você não se importar é claro. Qualquer coisa você poderá entrar em contato comigo através do meu E-mail:pdrohenrick@gmail.com
Fábio mais uma vez gostaria de agradecer, e aguardo contato.